.

1 2 3 4 5

18 de dezembro de 2012

Postado por Monique | Marcadores: ,
Não são todos que amam médicos.
Particularmente, não dou a mínima em ir ao médico, tirar sangue, tomar soro, transplantar o fígado, amputar as pernas, fazer cirurgia na cabeça... Aliás, acho até legal. Mas o negócio fica muito sério ao envolver meus dentinhos. Me borro nas calças quando o alvo é a boca.
Este post trata de instrumentos que usavam há décadas atrás, e é um grande alívio para nós, que morremos de medo de mexer nos dentes - um alívio por não termos nascido antigamente, quando os torturadores medievais atuavam sob o sinistro disfarce de dentista descaradamente.

Abridor de boca
Um clássico na mente de qualquer pessoa que imaginar um dentista psicopata, esse instrumento servia para abrir mandíbulas "travadas" dos pacientes que insistiam em mantê-las fechadas.


Antes da caneta de alta rotação
A conhecida caneta de alta rotação já é por si só bizarra. Imagine quão bizarra então era seu bisavô, que na verdade era de "baixíssima rotação". Apenas lembra que não existia eletricidade na época.


Ainda antes da caneta de alta rotação
Avô da ainda bizarra caneta de alta rotação, esta data de 1910. Essa versão, super tecnológica em relação a primeira, já era acionada por pedal.


Esfarelando seu dente
O pior na minha opinião. A Verruma era um instrumento que servia para fragmentar o dente para facilitar sua extração.


Serra para separar dentes
Sabe quando um indivíduo possui aqueles dentes "colados"? Pois é, na época isso devia ser feio, super feio. Sorte que existia uma serra com lâmina bem afiada para cortar esse empecilho.


Gente, só lembrando que NÃO EXISTIA ANESTESIA
Muitas pessoas entravam em choque antes dos processos, e morriam nas cadeiras odontológicas, tal como nas macas de hospitais.

Um comentário:

  1. Ouso dizer que senti-me tomado por total náusea apenas em imaginar... Para nós, seres de dentes tortinhos e "desaparelhados", semelhante tortura poderia ser causa de morte :/

    ResponderExcluir

Escreva, monstrinho.