.

1 2 3 4 5

13 de junho de 2014

Postado por Monique | Marcadores: , , , ,
Popularmente chamado de 100 Candles ou 100 Tales, Hyaku monogatari (百物語 cem histórias) ou Hyakumonogatari Kaidan-kai (百物語怪談会 cem histórias de fantasmas) é um jogo do folclore japonês no qual tem-se cem velas dispostas num local; cada participante deve contar uma história de terror e depois apagar uma vela, até que não sobre mais nenhuma. O jogo é considerado um ritual de evocação e acredita-se que a cada vela apagada convoca-se mais energia espiritual, pois os espíritos protagonistas das histórias a serem contadas supostamente ficam ao redor da sala, transformando o local em um chamariz para os mortos.


Origens do Jogo

Ninguém sabe exatamente como Hyakumonogatari Kaidan-kai passou a existir. Alguns acreditam que o jogo foi originalmente criado por samurais como um teste de coragem, para ver quem tinha culhões o suficiente para suportar os contos macabros e quem iria sucumbir ao calafrio quando a luz final fosse estirpada.
Ganhando popularidade, Hyakumonogatari Kaidan-kai foi encontrando o seu caminho lentamente às classes trabalhadoras dos camponeses e moradores das cidades, até passar a ser conhecido e jogado em todos os lugares no Japão até os dias atuais.


Como jogar I

Versão contemporânea: 100 velas devem ser colocados em um círculo e cada um dos jogadores conta um conto macabro, preferencialmente uma experiência pessoal envolvendo o sobrenatural. Conforme cada conto ou relato termina, o contador de histórias deve apagar uma vela, e a luz vai enfraquecendo lentamente conforme a tensão aumenta.
Com o soprar da última vela, alguém ou alguma coisa terrível estará esperando na escuridão.
No meio da brincadeira ninguém pode desistir ou sair da sala, pois se isso acontecer os fantasmas que estão ali atormentarão o felizardo pelo resto da vida.



Como jogar II
Versão tradicional: Todos os participantes devem vestir trajes azul e o jogo deve ocorrer na noite de lua nova, num local isolado, para que não haja nenhuma fonte de luz sequer. Três salas devem ser preparadas, preferencialmente formando um "L" se vistas de cima.
A primeira sala, onde o grupo vai ficar, deve estar completamente escura, assim como a sala ao lado, e na terceira sala 100 andons azuis (espécie de lanterna japonesa feita de papel e madeira) devem estar dispostos no chão. Deve haver também um espelho em uma mesa a sua frente.
Conforme os participantes contam a história, o narrador deve cruzar o caminho escuro até a terceira sala, apagar um andon, se olhar no espelho, e depois retornar à primeira sala. O grupo deve continuar contando histórias enquanto a pessoa faz seu caminho de volta.


2 comentários:

  1. Acho que esse é um dos jogos nais assustadores que já vi,perdendo só pro Homem da Meia-noite ;(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho que concordar contigo! O conheci com uns nove anos. Como eu era uma criança meio maluca, vivia tentando convencer meus amiguinhos a jogarem comigo.
      Hoje, com dezoito anos, começo a entender porque ninguém toapava brincar comigo (...) o baguio é bizarro, mesmo.
      (...) Mas se alguém topar...!

      Excluir

Escreva, monstrinho.