.

1 2 3 4 5

13 de março de 2014

Postado por Monique | Marcadores: , ,
Eu e meu irmão vivemos comentando um com o outro quão desconhecida é pelos ocidentais a cultura do Oriente e Europa central e oriental, e vice-versa. Creio que isso ocorre não apenas por falamos línguas diferentes e por estarmos habituados a outro alfabeto, mas também pelas nossas gritantes diferenças culturais em relação a eles. Tendo esse ponto em vista, resolvi trazer para o blog um pouco dessas culturas tão instigantes das quais poucos de nós sabemos algo.

Um domovoi oudomovoy (em cirílico домовой) é um espírito residente de casas, vindo da cultura eslava, e seu plural é domovye. A palavra russa barabashka (барабашка) é usada às vezes descrever domovye, embora seja um termo absolutamente pejorativo.
Domovye são descritos de muitas, muitas formas. Às vezes tidos como homenzinhos pequenos, barbudos e podendo terem os corpos cobertos por pelos, outras vezes descritos com aparência semelhante a do antigos proprietário de uma casa, com o diferencial de ter uma barba grisalha, caudas e pequenos chifres. Também é dito que domovye podem assumir a aparência de animais domésticos como cães e gatos, mas estes são relatos menos frequentes.
Tradicionalmente acredita-se que cada casa tenha um domovoi como residente. Ele não é uma entidade ruim e não lhe fará mal a não ser que sinta-se irritado por negligências familiares, uso constante de linguagem profana e má conduta familiar. Eles mantém a paz e a ordem, e premiam com boas vibrações (e até com bens materiais!) um bom ambiente familiar. Sendo assim, ele é visto como um guardião da casa e há gente que o trate como um membro invisível da família, deixando-lhe presentes como leite e biscoitos na cozinha durante a noite.


Para despertar a presença do pequeno companheiro em sua residência, as pessoas vestem suas melhores roupas e saem à entrada de suas casas, dizendo em voz alta "domovoi, avô, por favor, entre em minha casa!". Quando uma nova residência era construída, tradicionalmente colocava-se um pedaço de pão embaixo da porta para habitá-la com um domovoi.
Não bastasse, ele também é uma espécie de oráculo, pois seu comportamento poderia prever o futuro ou prevenir alguém de alguma catástrofe. Dizem que ele puxa o cabelo de uma mulher quando esta está para dormir com o intuito de alertar o perigo de um homem abusivo. Ele geme ou uiva para avisar problemas que vem, se ela mostra-se fisicamente eis um alerta de morte, e se ele é avistado chorando, toda a família morrerá. Sua risada é prelúdio de bons tempos.
Embora tantas qualidades o caracterize e ele seja considerado um aliado, esse espírito também tem um lado malicioso. O domovoi de uma casa vizinha, por exemplo, não lhe deseja felicidade, vendo sua família como uma espécie de concorrente para a que ele protege. O domovoi do vizinho pode roubar o alimento de seus cavalos para dar aos da família protegida dele, assim como assediar, assustar e maltratar seus animais.
A tradição diz que se um domovoi torna-se infeliz, sacode móveis e pequenos objetos, quebra pratos, deixa pegadas enlameadas pelo assoalho, faz a paredes rangerem e bate panelas, se assemelhante muito a um poltegeist. No ápice da raiva, ele tentará sufocar alguém enquanto a pessoa dorme.


No decorrer do século 20, houve uma quantidade notável de relatos de avistamento dessas criaturas na Rússia, e constantemente diz-se que eles manifestam-se principalmente realizando pequenas tarefas domésticas. De algum modo, domovye me lembram muito nosso mito das famosas criaturinhas, duendes.

0 comentários:

Postar um comentário

Escreva, monstrinho.