.

1 2 3 4 5

6 de novembro de 2013

Postado por Monique | Marcadores: , ,
O demônio tinha a aparência que eu esperava.
Media cerca de duas vezes a minha altura, sua pele era rachada e queimada, dando a impressão que fora pressurizada sob calor suficiente para grelhar humanos e forte o bastante para torcer metais como se fossem simples galhos. Embora curvado, as asas vestigiais bateu inutilmente contra o ar, encontrando limitação na barreira de sal eu antecipadamente tinha espalhado em torno dele - todos os oito de seus olhos compostos piscando em confusão, e finalmente - o entendimento.
"Boa noite. Parece que cá fui chamado e eu estou à sua disposição, ó poderoso Evocante".
Curvando-se com cortesia exagerada, o demônio lambeu seus lábios com ambas as suas línguas - sequer uma vez desgrudou os tantos olhos de mim.
"O que você deseja, Mago? Dinheiro? Fortunas imensas que rivalizem contra as dos homens mais poderosos e ricos que governam o mundo? Oh sim, você gostaria disso, não é mesmo? Governar o mundo!... Oh, mas não, talvez não! O poder é o que você deseja!... O poder de moldar seu próprio destino, levar a sua vida facilmente nas mãos, poder de desafiar a sua própria fraqueza ... Ou talvez algo mais?... RomanceAmor, ou nua e crua luxúria - é o que você quer, não é?... Uma seleção das melhores peles para você jubilar, beber e comer - metaforicamente, é claro!..."
O demônio tagarelava, quebrando o silêncio de minha falta de palavras. Eu não disse nada até então, e me limitava a assisti-lo.
Assistindo...
E assistindo.
Finalmente, começou a andar em torno das bordas de sal do círculo que o limitava nervosamente, sua cauda balançando frente e para trás, eufórica, e seus olhos já não se mantinham exatamente em minha direção. Ocasionalmente, ele abriu a boca para falar - mas o meu silêncio o pegou pelo pescoço e estrangulou as palavras de seus lábios. Meu visitado logo parecia calmo em relação ao andar monótono, mas ainda esboçava um aspecto nervoso e incerto. Finalmente, ele falou:
"Você não me dará uma ordem? Eu não posso acreditar que você me trouxe para o seu mundo simplesmente para me ver, haha-ha, ha-a."
Mas essa sua coragem momentânea mostrada ao proferir as palavras estava começando a quebrar - eu já podia ver a criatura começa a pensar, novamente em silêncio. Não era assim que as coisas costumavam ocorrer - a maioria dos evocadores já teria feito suas demandas, requisitado coisas insignificantes e inúteis que eram tão efêmeras quanto qualquer outra coisa neste mundo. Eu queria algo completamente diferente. Algo mais interessante. Lentamente , eu me permiti o luxo de um sorriso, e comecei a falar. O demônio relaxou visivelmente ao ouvir minha voz, os seus ombros caindo suavemente e evidenciando a flacidez de sua pele.
"Eu quero que você brinque comigo. Eu quero me divertir hoje."
Se for possível o ceticismo mostrar-se num demônio, foi o que vislumbrei em todos os seus olhos, que piscaram em incredulidade. Inclinou a cabeça para o lado e tossiu nervosamente, torcendo suas mãos compridas enquanto procurava por palavras que jamais poderia encontrar.
"Isso é... Muito estranho... Eu definitivamente pediria, uh... SangueAlmasUh... Isso é realmente tudo o que você quer? Absolutamente nada mais?"
"Sim. Isso é tudo."
"Droga. Bem, eu normalmente não faria isso, mas considere-o feito, apenas porque no momento estou me sentindo extremamente cortês! Mas não espere que isso se torne uma ocorrência!... Hahahaha! Bem Mestre, então não há necessidade desse maldito círculo, certo? Uma vez que temos um acordo..."
Enquanto ele se pronunciava, minhas botas já estavam chutando o sal fora do caminho. O demônio ergue-se diante de mim, estendendo-se em sua altura total enquanto seus ossos estalavam e rangiam. A cena me lembrou um cão extraordinariamente alto, do jeito que parecia saborear estar livre do confinamento de meu círculo de evocação como um cão da coleira, pulando e brincando ao redor da sala antes de se decidir a dar-me outra reverência.
"Sim, bem!... Então!... Me sinto honrado fantástico por conhecê-lo, Mestre! Eu serei seu companheiro durante todo dia, e podemos até rir juntos enquanto construímos um castelo de areia! Então, o que vocês humanos costumam fazer para se divertirem, neste século? Talvez possamos amarrar alguns de seus escravos na balaustrada e em outros lugares estranhos, de ponta cabeça para o sangue subir-lhes à cabeça? Oh, oh! Ou podemos plantar sementes de puro ódio nos corações dos outros mortais! Sim - oh, ou melhor! Poderíamos espalhar palavras desagradáveis para magoar tanto os humanos que os levem à morte auto-infringida!"
Cacarejando a si mesmo, o demônio olhou para mim com expectativa, ansioso para causar o mal e semear o pânico.
Eu cocei a parte de trás do meu pescoço.
"Acho que podemos dar uma caminhada. Eu gosto de caminhar."
O olhar do demônio era novamente perplexo quando saímos da minha grande casa no campo e tomamos o ar frio da manhã. Sendo um demônio ele não gostava de frio, então o emprestei dois dos meus maiores casacos antes de sairmos da casa. Parecia ridículo - sua pele vermelha de couro envolta em camadas e camadas de pano que realmente não se adaptavam a quaisquer de seus membros, mas pelo menos assim ele não tremeria a cada passo.
A residência não era próxima da cidade - talvez cinquenta minutos de caminhada. Os pássaros estavam cantando. Eu gostava de andar até lá; uma agradável caminhada, muito pacata e apreciada visando que gosto da solidão .
Às vezes.
Constantemente pulando de lá e para cá, saltitando alucinadamente e com um olhar de felicidade e confusão em seus olhos, o demônio investiu contra pássaros e subiu em cima de árvores, com seus membros arranhando a casca delas e expondo sua seiva. Uma vez que alcançou altas copas, olhou para o mundo em torno de si. Eu podia ouvi-lo gritando animadamente, sabendo que ele admirava o eco de sua própria voz.
"Isso é incrível! Isso é fantástico, não há nada parecido com isso de onde eu venho! A-ha, ha-ha! Vocês humanos são realmente de sorte, sabe? Estou felizemocionado, com alguma inveja, e animado! Não me admira que você gosta de caminhadas, eu definitivamente gostaria delas se vivesse aqui, também! Um sábio humano como você, Mestre, é também um mago incrível! Provavelmente é o mais poderoso que posso imaginar. Acho que deve se dar bem sem dificuldades..."
Sem dizer nada, eu balancei minha cabeça. A cidade foi se mostrando lentamente à vista, e eu estava com fome - então eu levei o demônio ao restaurante local.
Um ventilador de teto rodava preguiçosamente sobre nós enquanto o demônio devorou cinco, talvez seis porções de molho e biscoitos enquanto eu bebia meu chá e comia uma massa suave. A garçonete - uma mulher ligeiramente velha cuja qual conheço desde que nasci, sorriu quando trouxe à mesa sua décima segunda xícara de café. Olhava atentamente para seu relógio de pulso
"Nossa , você está tão faminto! De qualquer forma, é sempre um prazer quando nossos visitantes frequentes trazem bons amigos para cá. Você realmente gosta desses biscoitos, não?"
" Oh, simSim! O molho, o cheiro salgado e a forma como são crocantes - são fantásticos, os biscoitos. Você deve enviar meus elogios aos seus fabricantes.
Ela ia dizer algo mais, mas bati meus dedos na mesa, duas vezes. A garçonete parecia pálida e engoliu saliva lentamente, e não passou a focar a vista fixamente no chão enquanto perguntava:
"...E eu posso lhe trazer algo mais, hun? "
"Apenas aceite o cheque, Delia. Obrigado."
A campainha tocou quando saímos, o demônio conseguiu arranjar duas caixas cheias dos biscoitos e lambuzava-se com o molho que conseguiu levar num pote. Algumas crianças que passaram correndo devem ter achado a cena cômica, pois riram acidamente. O demônio pareceu bastante envergonhado, deixando cair uma caixa no chão. Seu rosto tornou-se rapidamente uma máscara de miséria, embora tentou seu melhor para escondê-la.
"Então, Mestre - onde agora? Talvez eu devesse dar forma a um lago de fogo para que possamos admirar enquanto arremessamos coisas lá dentro. Não! Um lago de gelo que brilha com a quietude de um mil mortos e uma lua silenciosa pendurada acima soa mais bonito..."
"Quase acertou."
O lago ainda estava um pouco gelado, apesar de ser metade da primavera. Isso não foi surpresa para mim, já que a cidade em que vivemos é muito rural e pode ser considerada fria por questões da localização. Havia alguns bancos ao redor do lago em que podíamos descansar, ou admirar gansos e cisnes. Mas a verdadeira razão pela qual eu tinha trazido o demônio aqui foi o para olhar o parque infantil.
Estavam envelhecidos e enferrujados como a maioria dos objetos de minha infância, mas os balanços ainda funcionavam bem. Embora eu não seja mais tão jovem, sou muito pequeno - pequeno o suficiente para caber em balanços, pelo menos. Sentei num deles e olhei para o demônio me encarando.
"Me empurre."
Eu entoei, e assim demônio percebeu o objetivo da brincadeira. Deixei minhas pernas balançarem para o lado e apenas se esqueci do mundo pelo tempo que pareciam horas, mas foram na realidade apenas alguns minutos. O sol começou a ir em direção ao meio-dia - e era muito brilhante, meus olhos fechando a cada vez que o balanço ia ao alto. Abaixo, eu podia ouvir o demônio grito algo animadamente, mas eu realmente não estava escutando.
Finalmente, o demônio parou, e o balanço parou, e eu caí de volta à Terra. Minhas botas deslizaram de encontro ao chão, fazendo com que pedaços de solo gelado saltassem como se estivessem fugindo de minha presença. O demônio pulou na minha frente, sorrindo com todas as suas quatro fileiras de dentes pontiagudos .
"Isso parece divertido! Isso parece muitomuito divertido! Você deveria empurrar-me...! Você deveria definitivamente me empurrar, Mestre...!"
Eu fiz , claro. Ouvi-lo gritando e quebrando todo o silêncio da praça era instigante, e eu me perguntava no que criaturas do submundo pensam enquanto estão a meio caminho da terra e do céu, no alto de um balanço.
Estava ficando tarde, então acenei para o demônio, que se pôs ao meu lado com um sorriso enorme.
" Sim, ó Mestre? Será que você tem uma ordem? Ou algo deliciosamente divertido entrou em sua mente? Talvez possamos adquirir mais daquelas coisas que humanos consomem para se alimentar, não?"
O demônio olhou para mim com expectativa, e embora fosse tarde, não era tarde o suficiente a ponto de não acharmos algo para comer, e eu já tinha planos de ir às compras novamente. Hoje parecia um bom dia para ela; eu sempre levo algum tempo para encontrá-la, a livraria - não porque se localiza num lugar particularmente escondido, mas porque  simplesmente tenho uma espécie de um... Um bloqueio mental, chame como quiser.
No momento em que ponho os pés em livrarias me perco por horas entre as prateleiras, e tempo é a única coisa que eu realmente valorizo ​​.
Tempo é o que nos permite fazer grandes coisas - criartrabalharviver. Mas o tempo deixa de existir quando entro em uma livraria, e tudo o que posso pensar é o cheiro do papel e da sensação de correr os dedos pelas páginas e, talvez, degustar de algum café ...
Quanto ao demônio, parecia bastante confuso - embora não infeliz - com o propósito da livraria. Ele foi eloquente o bastante para não subir pelas estantes e atirar os livros de suas prateleiras, o que foi bom - mas ele parecia não estar interessado nos livros tanto quanto estava nas pessoas de lá, observando-as atentamente enquanto elas faziam suas coisas. Talvez ele estava surpreso com o fato de que as pessoas não pareciam se importar com ele, e não lançava-lhe nada mais que olhares apressados e distantes, desfocados.
Mestre, por que ninguém está com medo de mim? Eu não sou terrível? Eu não tenho uma aparência humilhante? As pessoas deste mundo não mais temem aqueles que habitam o inferno?"
Meus olhos saltaram das páginas que estava lendo. Era um thriller - romance com elementos de mistério. Era muito ruim, e eu não estava interessado em comprá-lo, mas a ilustração da capa havia me atraido.
"Nãonãorealmente. Ninguém mais se preocupa com nada além de si mesmos."
Ele me faz várias outras questões, mas eu não as ouvi enquanto me focava em lembrar de onde havia pego o livro para repô-lo no lugar - e notei que o demônio mais uma vez parecia envergonhado  - mas esperançoso - olhando para o balcão com alguns produtos e guloseimas sobrepostos. Ele abriu a boca para falar, mas eu imediatamente assenti - e então, dei-lhe um chocolate, pagando em seguida ao homem em frente à caixa registradora; afinal de contas, por que não?
O demônio consumia lentamente seu chocolate enquanto fazíamos nosso caminho para casa. Ele não queria comê-lo rapidamente a fim de fazer a sensação se prolongar, mas salivava a cada passo, claramente louco para engolir tudo de uma vez. Pode ou não ter falado comigo, mas eu estava perdido em pensamentos. Apenas percebi quando ele perguntou triste e melancolicamente:
"Então - o que devemos fazer agora, Mestre? Parece que você tinha planos até agora, mas isso deve ter um fim... Lidere o caminho, e eu vou te obedecer!"
Minha cabeça balançava para cima e para baixo, sim e sim. Eu já estava pensando sobre o que eu tinha comprado na livraria, ou mais precisamente retirado do armazenamento. O olhar de aquiescência desagradável no rosto do livreiro quando ele me entregou o pacote. Foi mai uma de muitos, é claro - mas esta era nova, e eu estava ansioso para testar minha nova aquisição.
"... Para o resto do dia , pensei que poderíamos assistir à televisão."
"OhAh."
O demônio parecia visivelmente desapontado, sua cauda caiu no chão e seus olhos abaixaram. Para ser honesto, eu me sentia assim também. Não gosto muito de televisão, mas eu tinha feito a minha decisão - ou talvez ela tivesse sido feita para mim.
Minha sala tinha uma televisão e um sofá. O demônio atirou-se neste e deslizou pelos canais, parando em algum programa de comédia stand-up protagonizados por pessoas que tinham sido populares há cinco, talvez dez anos atrás.
"Eu irei à cozinha. Você quer algo específico para o jantar?"
"Você está me perguntando, MestreComo... Como você é gentil..."
Confusão vacilou em sua voz, bem como genuína surpresa. Eu não podia mais vê-lo quando me estabeleci em frente à bancada, mas mentalmente podia imaginá-lo ponderando o que pedir, sem saber o nome de muitos pratos e alimentos da Terra, mas conhecendo seus sabores e pronunciando as palavras em sua própria língua infernal. O avental de cozinha que eu tinha colocado cobria a maior parte do meu corpo, e quando ele finalmente descobriu o que raios pretendia falar, eu surgi na sala carregando dois pratos com arenque frito, tomate, alface e rabanete, e biscoitos de centeio.
Comemos em silêncio, o rosto dele se afundando em alegria a cada mordida. Eu terminei antes dele, e assisti com os olhos, em silêncio, enquanto ele terminava as últimas migalhas. O demônio percebeu que eu estava olhando para ele e desviou o olhar, constrangido. Meu relógio marcava oito horas - precisamente doze horas desde que ele havia sido chamado a este mundo.
"Oh, isso é estranho, mas acho que eu devo ir."
Eu balancei a cabeça , lentamente. Minha pele estava coberta de suor - o demônio não deixou de notar, mas não conseguia entender o por quê.
"Foi - foi muito divertido! Eu não tenho tanta diversão com um mago há muito tempo... Ou melhor, nunca tive. Normalmente vocês apenas querem causar dano a outrem, ou se afogar nas consequências da própria ambição e mesquinharia. Eu iria longe a ponto de dizer que você é o melhor Mestre de todos os tempos! Não é ótimo? Parabéns, ó Mestre!"
Arrulhando e falando de seu modo estranho, ele mostrou os dentes no que foi um verdadeiro sorriso de uma criatura da sua laia - não tem certeza de como eu estava no momento, mas assumo que meu sorriso era um espelho do dele .
Eu continuava a sorrir, lutando contra a contração no meu olho esquerdo.
"SimobrigadoQue bom. Venha comigo agora ."
O demônio parecia um pouco confuso, mas acenou com a cabeça e seguiu-me hesitante, ambos subindo as escadas. Dispus um círculo novo de sal na ala em que estávamos mais cedo, e deixei uma fresta aberta para ele entrar, antes de jogar um último punhado fechando-o. O demônio acenou, ainda sorrindo:
" Mais uma vez - obrigado, Mestre. Eu realmente apreciaria vê-lo novamente. Foi ... Divertido!..."
O demônio estava cercada por fumaça , fumaça tão escuro e ocre como nenhuma outra que já tinha estado na terra ...
Mas não desapareceu.
Chocado, o demônio tentou mais uma vez se desmaterializar, apenas para descobrir que não conseguia, enquanto eu andava em círculos intermináveis​​, minha respiração pesada.
"Foi... Divertido para você, você disse?"
Minha vez de lamber os lábios. Eles estavam secos com o frio, suor e antecipação. O demônio balançou a cabeça, lentamente - sem saber onde eu queria chegar.
" Mas você... Nenhum de vocês puderam manter suas promessas..."
Minhas mãos começaram a tremer quando as coloquei em meu bolso, ondulando os dedos em torno da ponta da nova faca de açougueiro que havia comprado mais cedo. Ferro frio cantava alegremente em minha mente enquanto agarrei-a pela alça e puxei-a para fora do bolso.
"Não foi divertido para mim."
Não houve tempo para um olhar de surpresa quando eu pulei para sua frente, dilacerado-o membro a membro. Costeletacosteleta cortecorte. Sangue de demônio jorrava dos ferimentos quando a luz nos olhos dele passou de confusa à horrorizada, e finalmente à calma - enevoaram-se em teias de cinza que enfatizavam que jamais brilhariam novamente.
Ajoelhei-me sobre seu corpo amassado e serrado e cortei fora tendões e ossos. De poucos em poucos momentos parava, limpava o suor da minha testa e o sangue de minha blusa.
A trituradora de lixo sempre estava faminta e monstruosa - uma abominação infestada de dentes de aço, ansiosa para devorar e consumir tudo o que lhe estivesse ao alcance. O crepitar da pele do demônio quando foi triturada cedeu lugar ao borbulhas dos ossos. Depois de cada rodada de eliminação, deixei o fluxo de água lavar a bile negra suja do sangue do demônio e levar embora qualquer vestígio de que ele tinha estado lá.
Finalmente, foi feito. Removi o avental da minha cintura, deixei-o cair ao meu sótão e suspirei, resistindo à vontade de chorar. Tudo o que eu queriatudo que eu sempre quis, foi um dia que fosse feliz para mim...
Por que todos os demônios que convoco tem que ser tão egoístas?
Mas este próximo será melhor.
Estou um pouco cansado, mas sempre estou, afinal.
O relógio quase marca oito da manhã, após me livrar do corpo e limpar tudo...
Vou buscar mais sal...

0 comentários:

Postar um comentário

Escreva, monstrinho.